top of page

Baixo rendimento escolar: o que fazer?

O baixo rendimento escolar é um dos principais e mais preocupantes problemas enfrentados nas escolas brasileiras. Com o isolamento provocado pela pandemia de Covid-19 entre 2020 e 2022, o desafio se tornou ainda maior e mais complexo.

O Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp), por exemplo, apresentou o pior resultado desde o início de sua avaliação, em 2010. Enquanto em 2019, 44% dos alunos terminaram os anos iniciais com conhecimento abaixo do patamar adequado, em 2022 esse número saltou para 61%.

Embora o período de pandemia tenha sido crucial para chegarmos a esses números, o fator não foi unicamente determinante. Segundo especialistas, o baixo rendimento escolar está atrelado a diversos outros elementos, como a falta de motivação ou de interesse; ausência de uma rotina de estudo; falta de estímulos adequados, cansaço por excesso de tarefas e provas; problemas familiares e muito mais.

Baixo rendimento escolar na prática

De um modo geral, o rendimento escolar está atrelado diretamente à capacidade de absorver o conhecimento e ser capaz de aplicá-lo e de expressá-lo. Logo, aqueles que não possuem ou desenvolvem essas habilidades, estão aquém do esperado.

E quando isso acontece, e as notas ruins começam a aparecer com maior frequência, é hora de ligar o alerta. Afinal, embora nem todas as crianças gostem de estudar, diferentes fatores podem causar ou influenciar o baixo rendimento escolar, dentre elas:

  1. Fatores externos, como ambiente escolar, interação social e metodologia;

  2. Fatores internos, como problemas familiares, estado emocional e maturidade da criança;

  3. Fatores biológicos, como Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), dislexia e Déficit de Processamento Auditivo (DPA).

Seja qual for a razão, o baixo desempenho escolar deve ser tratado ainda na fase inicial. Caso contrário, o problema pode ser ainda maior, com impactos consideráveis na vida pessoal, profissional e acadêmica.

Como identificar a origem do problema?

Conforme abordamos anteriormente, os alunos com baixo rendimento escolar geralmente têm picos de autoestima baixa e falta de motivação; dificuldade de concentração, hiperatividade e outros sintomas também são comuns.

Em alguns casos, o problema é facilmente resolvido com reforço escolar, estímulos à leitura e atividades mais lúdicas; em outros, no entanto, os sintomas podem estar associados a questões neurológicas, como a dislexia, TDAH, DPA, entre outros.

Identificar a origem do problema nem sempre é fácil. Por isso, uma boa dica é ouvir a criança para tentar resolver esses problemas que causam o baixo rendimento escolar, por exemplo. Afinal, isso pode ajudar a entender de onde vem os bloqueios de aprendizagem e como garantir o melhor desempenho do aluno.

Além disso, é importante se manter atento aos comportamentos, a fim de detectar os sintomas ainda no início e apoiar o desenvolvimento de crianças e adolescentes durante o ano letivo. Dentre os sintomas comuns – e que podem ajudar a acender um alerta de transtorno neurológico –, podemos destacar:

  1. Dificuldade de leitura, erros de ortografia e problemas para formar frases;

  2. Facilidade para se distrair, perda consecutiva de objetos, dificuldade de concentração, agitação, impulsividade, entre outros;

  3. Distração, dificuldade para cumprir tarefas em sequência, dificuldade de localizar de onde vêm os sons ou lembrar o que dizem a ela, necessidade de volumes/sons sempre alto e mais.

É bom destacar, ainda, que nestes casos é essencial contar com apoio profissional para entender a conduta dos alunos – sem julgamento – e estabelecer a melhor forma de atuação, caso a caso. Um profissional qualificado é capaz de ajudar a entender o todo, não apenas o esforço do aluno em sala de aula, como também a forma como a criança aprende e se relaciona com os outros.

Acompanhe as melhores dicas sobre aprendizagem infantil!

Facilitar o processo de aprendizagem infantil, capacitando pais e profissionais, é o objetivo da Oficina da Inteligência. Fundada pela psicopedagoga Carla Silva e pelo CEO Willian Moreira, a plataforma visa transformar as relações humanas e melhorar o processo de ensino oferecendo treinamentos a professores.

Com uma visão 360º, o site oferece também aos pais todo o conhecimento necessário para que possam participar desta jornada de conhecimento e desenvolvimento. Entre em contato!

44 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare

Kommentare konnten nicht geladen werden
Es gab ein technisches Problem. Verbinde dich erneut oder aktualisiere die Seite.
bottom of page